Britânico admite ter incentivado ataque contra príncipe George

O britânico Husnain Rashid, de 32 anos, se declarou culpado nesta quinta-feira (31) perante um tribunal de Londres de várias acusações de terrorismo, entre elas incitar um ataque jihadista contra o príncipe George, o terceiro na linha de sucessão ao trono do Reino Unido.

Rashid, que tinha dito ser inocente, surpreendeu à Corte de Woolwich ao admitir três crimes, cometidos entre outubro de 2016 e em abril deste ano, que incluem preparação de atos terroristas e promoção do terrorismo.

Outras duas acusações de divulgação de propaganda terrorista e de descumprimento da legislação quando era investigado serão arquivadas.

Ao concluir a audiência, o juiz, que anunciará a sentença em 28 de junho, advertiu que “inevitavelmente (ele) receberá uma longa condenação e poderá pegar prisão perpétua”.

Em 13 de outubro, Rashid utilizou um aplicativo de mensagem instantânea para incentivar jihadistas a atentar contra o príncipe, de 4 anos, que um mês antes tinha começado a frequentar o colégio.

O acusado, simpatizante do movimento extremista Estado Islâmico, colocou uma foto da criança combinada com silhuetas sobrepostas de dois jihadistas mascarados, conforme explicou o Ministério Público durante o processo.

Rashid, detido em 22 de novembro no norte da Inglaterra, também dava sugestões de possíveis alvos para os terroristas em locais do Reino Unido, da Austrália, da Turquia e dos Estados Unidos. O MP explicou ainda que o jovem tinha “um canal online” chamado “Lone Mujahid” (Combatente Solitário, em livre tradução), no qual encorajava atos de terror e dava informação e apoio a possíveis terroristas.

George é o primeiro filho de Kate Middleton e do príncipe William, que também são pais de Charlotte e Louis.

Anúncios

Príncipe Harry e Meghan Markle devolvem R$ 35 milhões em presentes de casamento

Príncipe Harry e Meghan Markle, recebeu centenas de presentes pela oficialização da união no dia 19 de maio em Windsor, na Inglaterra. Porém, pelo protocolo, os dois não podem aceitar lembranças de empresas que poderiam explorar suas imagens comercialmente.

Dessa forma, Harry e Meghan haviam pedido, antes do casamento, que os convidados fizessem doações a instituições de caridade. O primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, doou cerca de 29 mil libras para uma das instituições sugeridas pelo casal real.

De acordo com o jornal britânico The Express, os funcionários do Palácio de Kensington estão se esforçando para devolver cerca de 35 milhões de reais em presentes recebidos pelo casamento. As lembrancinhas foram enviadas por convidados, empresas, famosos e até cidadãos comuns.