Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank pedem boicote a Cocielo

Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank também decidiram se manifestar sobre os posts de Júlio Cocielo envolvendo racismo e pediram boicote ao youtuber nesta segunda-feira (2).

“Você tem noção do que são 11 milhões e 200 mil pessoas? Eu ajudo. É a população inteira da Bélgica. É um milhão a mais do que a população de Portugal. São 143 Maracanãs lotados. São todas as pessoas que ainda estão apoiando diretamente um influencer assumidamente racista. Temos que cobrar posicionamento das marcas que o patrocinam, é claro. Mas são os outros famosos que ainda o seguem e, principalmente, as pessoas comuns, anônimas, que verdadeiramente me preocupam. Apoiar uma pessoa racista é ser conivente, sim”.

Foi esta mensagem que Bruno Gagliasso compartilhou em seu Instagram através de um repost de uma publicação do jornalista Isabela Reis. O número 11,2 milhões faz referência ao número de seguidores que Cocielo tem na mesma rede social.

Bruno fez questão de pedir mudanças tanto nas empresas que ajudam os influencers a crescerem, mas também do público que acompanha tudo o que eles postam.

“Num mundo digital em que seguidor significa dinheiro e carreira, a gente precisa entender a importância do boicote. (…) As marcas só chegam até essas pessoas porque elas têm audiência, visibilidade, constroem um público que interessa para as empresas atingir. A responsabilidade é de todos. Precisamos, é claro, cobrar as marcas, mas também precisamos chamar atenção dos outros famosos que seguem/dão like/fazem parceria com essas pessoas racistas, machistas, LGBTfóbicas e gordofóbicas. É obrigação de todos nós constranger e vigiar nosso círculo social. Educação antirracista não é somente pra criança, racismo não tem idade. A hora de aprender e ensinar é agora”, completou.

Giovanna, por sua vez, chamou atenção para o fato de que o post dele não foi apenas uma ~piadinha~. “Odeio ter que postar coisas tão repugnantes e tristes como essa, mas é necessário! Ainda fico chocada como podem existir pensamentos desse tipo… Isso não é uma brincadeira e nunca foi! Isso é racismo!”, escreveu a atriz na legenda de um post que mostra diversos comentários racistas, misóginos e preconceituosos de Cocielo.

ENTENDA O CASO

No sábado (30), durante o jogo da França contra a Argentina, Cocielo escreveu em seu Twitter que Mbappé, um jogador francês que é negro, “conseguiria fazer uns arrastão top na praia”. Após as críticas, ele apagou a publicação, assumiu seu erro e pediu desculpas, garantindo que não existe justificativa para o que fez. “Arrependido e aprendido! Lição pra vida! Nunca mais se repetirá!”, disse.

Anúncios

Davi Lucca, filho de Neymar, desembarca na Rússia e é paparicado pela titia, Rafaella Santos

Sempre muito fofo, o pequeno Davi Lucca, filho do craque da seleção brasileira, Neymar, desembarcou na Rússia nesta segunda-feira (25) para prestigiar o pai no último jogo do Brasil pela fase de grupos da Copa. A irmã do astro, Rafaella Santos, compartilhou momentos fofíssimos com o sobrinho.

Tia e sobrinho curtiram o jantar juntos e ao fim brincaram em um pula-pula no hotel onde estão hospedados.

Davi Lucca estava até então com a mãe, Carol Dantas, nas praias da Espanha. Mesmo longe do pai, o pequeno mandou um recado via redes sociais dizendo que a vitória contra a Costa Rica viria. Pé quente, sua mensagem deu certo: O Brasil venceu o confronto e Davi novamente roubou a cena ao apararecer rezando pela vitória do papai. “Pai, você fez um golaço. Eu gostei demais”, disse ele após a partirda entre Brasil e Costa Rica.

Já Carol Dantas fez questão de elogiar o herdeiro por sua atitude de ter rezado por Neymar. “Você fez uma oração maravilhosa, Deus escutou”. Vale lembrar que quem estave pertinho de Neymar nesta sexta-feira (22) foi a namorada dele, a atriz Bruna Marquezine. No estádio de futebol, ela posou exibindo sua boa forma usando só sutiã e jaqueta. A atriz já retornou para o Brasil e a rotina de gravações.

Veja também…

Brasileiro acusado de assédio diz: ‘vamos para cima dessa mulher’

O grupo de 14 turistas brasileiros que aparece no vídeo gravado pela jornalista russa Bárbara Gerneza se defendeu das acusações de assédio sexual, em entrevista ao “Fantástico”, da TV Globo, que foi ao ar no último domingo, 24.

Segundo eles, o refrão do funk que estavam cantando com conotação sexual não foi direcionado a ela.

O engenheiro Rodrigo Santoro alegou: “Nós não cantamos a música para as mulheres, cantamos para os homens, os argentinos. Não era para uma mulher. Ela só pediu para a gente continuar dizendo o que estávamos dizendo para os argentinos. E fizemos isso. Peço desculpas, foi uma infelicidade, um mal entendido gigantesco”.

Já o empresário Paulo Simões argumentou: “O que não pode é vincularem a gente com esses outros vídeos fazendo as pessoas repetirem [frases obscenas]. Não foi o que a gente fez. Nós cantamos uma música que toca no Brasil inteiro, assim como cantamos ‘Eu, sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor’”.

Em contrapartida, um homem identificado como Osvaldo se negou a pedir desculpas pelo ocorrido e sugeriu que a culpa pode ser de quem gravou o vídeo.

“Nenhum [problema]. Tinha mais de 20 pessoas filmando, não tinha só uma mulher. E não tinha uma mulher no meio da gente [assim como no outro vídeo polêmico]. Ser advogado de diabo é fácil. O duro é contestar depois”.

O repórter Marcelo Canellas, então, rebateu: “Eu estou só perguntando”.

Osvaldo, por sua vez, reiterou: “A minha opinião é essa […] Estamos em uma Copa do Mundo, todo mundo veio para se divertir, fizeram uma filmagem errada, não sei quem foi, só que nós vamos para cima dessa mulher, porque ela vai ter que explicar porque filmou nós, expondo nós assim. E vamos para cima”.

Ao ser questionado se achava que a culpa era de Bárbara, o homem respondeu: “Não sei… vamos saber de quem é a culpa”.

A jornalista se defendeu das indiretas e afirmou que, embora fale português, não tem fluência plena do idioma e só entendeu o significado da música um dia depois.

“É muito chato o fato de todos eles serem homens, em um grupo grande, e pensarem que podem fazer tudo”, desabafou.

Em outro momento da entrevista, o empresário Fred Miranda concordou com os demais colegas dizendo que não houve assédio. “Vocês poderiam até colocar que a música que os brasileiros estavam cantando não é legal, ponto. Agora, colocar uma conotação de assédio sexual para 20 pais de família que estão aqui na Rússia curtindo, assediando? Não tem ninguém assediando aqui. Nós não tocamos ninguém. Cadê ela [Bárbara] na imagem? Por que ela não se mostra na imagem?”.

Entretanto, em outro vídeo, este mesmo homem apareceu beijando a russa à força.

“É muito chato para mim, isso que fez sentir vergonha depois. Porque eu estava sozinha, com o celular, fazendo o meu trabalho, me cercaram e queriam que eu beijasse um deles. Não é normal essa situação”, completou ela.

Demitido da Globo, comentarista solta o verbo e expõe segredo de Galvão Bueno

Juninho Pernambucano deixou a Globo e, sem mais nada a perder, resolveu soltar o verbo sobre Galvão Bueno, que continua com o seu contrato firme e forte. Ele foi substituído por Roger Flores e, após o jogo do Brasil contra a Costa Rica, fez um desabafo.

“Gente, aproveitem a copa para ter opinião própria. A maioria foi formado na escolinha do Galvão, futebol não é assim. Não gostar de lado pessoal ok, mas aprenda a separar e analisar o jogo. A não ser que tenha sacanagem explícita”, disparou ele no Twitter.

Em seguida, ele saiu em defesa de Neymar, que foi bastante criticado por Galvão. O jogador, que não possui contrato com a Globo, é sempre alvo de comentários negativos por parte de todos, mas após fazer um gol no último minuto, recebeu vários elogios de Galvão.

“O cara passa o jogo criticando o Neymar, culpando até pelo pênalti sofrido. Agora quer elogiar. Galvão não para, é intocável. Faz todo mundo detonar o cara, depois do gol quer mudar. Isso sempre foi assim. Neymar é monstro e não é obrigado a arrebentar sempre. Boa Brasil”, revelou.

Imprensa britânica critica Neymar: ‘Mimado, resmungão, dramático e trapaceiro’

A imprensa britânica, que já tinha registrado repúdio a ações de alguns brasileiros que foram à Rússia para a Copa do Mundo e não apresentaram exatamente um comportamento exemplar em relação aos episódios de assédio às mulheres locais, agora faz críticas também ao comportamento dos brasileiros dentro de campo. O principal alvo nesta sexta-feira foi o jogador da transação mais cara da história do futebol, Neymar, citado nas reportagens como mimado, resmungão, dramático e até trapaceiro depois da vitória da seleção por 2 a 0 sobre a Costa Rica, em São Petersburgo.

No início da transmissão da partida feita pela iTV, que compartilha as exibições dos jogos com a BBC no Reino Unido, o narrador encerrou o primeiro tempo do jogo, quando nem Brasil nem Costa Rica tinham conseguido alterar o placar, ressaltando que até então o que se viu em campo foi um “início de Copa frustrante para Neymar e Brasil”. Quando Philippe Coutinho fez o primeiro gol e, finalmente, a seleção brasileira conseguiu abrir o placar, o mesmo locutor comemorou: “Esse é o Brasil!”.

No final do jogo, que terminou com vitória brasileira por 2 a 0 e eliminou o país da América Central da competição, outra dúvida surgiu quando o atacante do Paris Saint-Germain se ajoelhou no campo e começou a chorar: “Seriam lágrimas de crocodilo ou de alívio?”. Após alguns segundos, continuou: “Apenas Neymar saberá…”. Na reportagem da BBC na internet, a rede britânica até deu uma trégua ao camisa 10. “O talismã do Brasil chorou após o apito final – a vitória foi um alívio tanto para ele quanto para sua nação.”

O site do jornal The Guardian, no entanto, não poupou o desempenho do time e do principal atacante da seleção brasileira. A reportagem começa dizendo que a vitória “veio tarde” e foi “quase feia” em São Petersburgo, com os gols sendo marcados apenas nos acréscimos. “Foi um dia agitado para o jogador mais caro do mundo, fonte de atritos constantes, que resmungou, gemeu e se jogava no chão constantemente, podendo ter sido expulso por uma combinação de desentendimentos e trapaça”, trouxe a publicação. “Neymar chorou dramaticamente no gramado ao apito final, com os ombros tremendo e as mãos protegendo seu rosto do mundo”, acrescentou.

Bruna Marquezine desobedece a Fifa, bate o pé e quebra regras da Copa do Mundo

Bruna Marquezine, que adiantou as gravações da novela Deus Salve o Rei para ir até a Russia ver o namorado Neymar jogando pela Copa do Mundo, causou na manhã desta quinta-feira (22). Em suas redes sociais, a atriz tem mantido o silêncio, mas limitou-se a fazer uma aparição publicitária.

No entanto, sua atitude é considerada ilegal, levando em consideração as regras da Fifa. Mesmo com todos os tipos de propaganda sendo barrados pela empresa, a atriz fez questão de publicar um Stories em seu perfil no Instagram exibindo a peça íntima que estava usando, um sutiã amarelo da C&A.

Ele faz parte da coleção que Bruna fez com Neymar para o Dia dos Namorados neste mês de junho, e a atriz ainda marcou o perfil oficial da loja de departamento. A regulamentação da Fifa, por sua vez, proíbe qualquer tipo de publicidade, inclusive nas redes sociais.

São proibidos os “direitos de exploração de qualquer marca em conexão com eventos de transmissão e exibição”, como o estádio. E ela não foi a única pessoa ligada a Neymar que fez algo do tipo. Rafaella, a irmã do jogador, também posou com roupas da marca.

Ela escreveu a legenda “meu look C&A Brasil”, acompanhada da hashtag #torcidacea. A C&A fez questão de republicar as imagens das duas personalidades em seus perfis. Vale lembrar que em 2010, duas torcedoras foram presas por “publicidade encoberta” na Copa.

Na ocasião, de acordo com o portal UOL, 36 holandesas participaram de uma ação da cervejaria Bavaria, que não possuía qualquer direito comercial no Mundial de 2010, e as torcedoras Barbara Castelein e Mirthe Nieuwpoort tiveram que pagar uma fiança de R$ 2 mil para deixar a prisão.

Neymar também chegou a mostrar sua sunga da marca Blue Man no intervalo de uma partida do Brasil em 2014 e a empresa foi notificada pela Fifa.