Em A Dona do Pedaço, Lyris furiosa expulsa Agno do armário: ‘Meu marido é gay’

A dondoca interpretada por Deborah Evelyn em A Dona do Pedaço vai descer do salto e armar um escândalo na construtora do marido. Lyris descobrirá que Agno (Malvino Salvador) a trocou por garotos de programa. Fora de si, ela irá ao escritório fazer exigências para não colocar a boca no trombone. O executivo chamará a mulher de chantagista e acabará “arrancado do armário”. “Meu marido é gay. O Agno é gay”, gritará a loira para toda a firma ouvir.

Completamente surtada, ela andará pelos corredores da empresa colocando todo o seu ódio para fora. De acordo com o roteiro entregue aos atores, a cena lembrará uma exibida na última novela do autor Walcyr Carrasco, O Outro Lado do Paraíso.

O tom da lavação de roupa suja no ambiente de trabalho será o mesmo usado na sequência em que Suzy (Ellen Rocche) berrou para o hospital inteiro saber que seu Tigrão, o médico Samuel (Eriberto Leão), era gay.

Semelhanças à parte, Lyris terá ainda mais motivos para ficar devastada do que a enfermeira teve com a sua descoberta. No caso da filha de Gladys (Nathalia Timberg), ela será surpreendida com o pedido divórcio repentino e humilhada com um vídeo de sexo com o entregador de bolos. 

Desesperada, a dondoca contratará Amadeu (Marcos Palmeira) como seu advogado. Ele a orientará a contratar um detetive particular, já que a loira cismará que o marido tem outra. O profissional fará fotos do empresário com um garoto de programa.

Depois que Lyris receber as imagens do detetive, ninguém vai conseguir segurá-la. Agno ainda mandará a secretária dispensar sua ex-mulher, mas ela invadirá sua sala. “Eu já sei de tudo, Agno. Já descobri que costuma sair com rapazes. É por isso que, apesar de todas as minhas tentativas, não me queria”, dirá a dondoca, na lata.

“Não foi só por isso. Mas confesso. Eu tentei, Lyris, tentei um bom casamento. Ser um homem normal, como dizem. Mas o que é normal? Ser normal é ser o que a gente é. Há muito tempo sei que não conseguiria ir adiante com o casamento… Eu assumi”, revelará o personagem de Malvino Salvador.

A partir daí, começará a baixaria. “Você pega rapazes na rua. Vai falar o que de mim? Eu quero o apartamento, metade do dinheiro que pegou na venda da empresa e uma mesada de acordo com o padrão de vida que estou acostumada. Ou conto para todo mundo que você é gay”, ameaçará a irmã de Régis(Reynaldo Gianecchini).

“Em que mundo você está vivendo? Não tenho problema nenhum em ser gay. Não vai me chantagear. Não dou nada. Dou um salário mínimo de mesada, se quiser”, rebaterá o executivo.

“Ah, é?”, esbravejará Lyris. Ela abrirá a porta e começará o espetáculo para todos os funcionários verem. “Meu marido é gay, meu marido é gay! O Agno é gay. Gay”, gritará Lyris.

Anúncios

‘A dona do pedaço’: segredo de Agno é descoberto

Tudo começará quando o empresário decidir se separar da mulher e pedir o divórcio. Lyris contratará Amadeu (Marcos Palmeira) para cuidar do processo. O advogado irá sugerir que eles descubram algo que possa ser usado contra Agnona disputa pelos bens.

A irmã de Régis (Reynaldo Gianecchini) dirá que desconfia que o marido tem um amante, o que fará com que Amadeucontrate um fotógrafo para seguir Agno. Não vai demorar até que o profissional flagre o empresário contratando garotos de programa nas ruas de São Paulo.

O fotógrafo contará sua descoberta para o advogado, que chamará Lyris para uma conversa. Amadeu contará a ela que descobriu algo sobre o estilo de vida de Agno, mas avisará que a imagem não tem qualidade suficiente para ser levada ao julgamento:

– Tenho certeza que em breve teremos algo para mostrar no tribunal. Mas agora, que vamos ter uma conversa franca, podemos buscar um novo caminho de investigação – começará o pai de Josiane (Agatha Moreira)

– Já estou nervosa. Quero saber o que é – dirá Lyris.

Amadeu e o fotógrafo mostrarão a foto para ela, que ficará confusa:

– Este é o carro de seu marido – explicará o advogado.

– Eu não entendo – insistirá Lyris.

– Esse rapaz é um garoto de programa. Seu ex-marido é gay.

Filho diz à polícia que deputada Flordelis e 3 irmãs podem estar envolvidas na morte de pastor, e que desespero no velório era “teatro”.

Um dos filhos da deputada Flordelis contou nesta quinta-feira (20) à Polícia Civil que suspeita do envolvimento da mãe e de três irmãs na morte do pai, o pastor Anderson Carmo, morto a tiros no último domingo. Segundo o jovem, uma delas ofereceu R$ 10 mil ao irmão Lucas dos Santos para matar o pastor. 

Procurada, a deputada afirmou por meio da assessoria que não irá se pronunciar sobre o assunto.

O rapaz, que não teve a identidade revelada, disse que a mãe e três irmãs colocavam remédio na comida do pai e que isso seria a causa de seus problemas de saúde. Ele contou também que Anderson mostrou uma ameaça de morte que tinha recebido em fevereiro.

O jovem afirmou ainda que o irmão Lucas recebeu proposta de R$ 10 mil de uma das irmãs para matar Anderson. Lucas não estava na casa no momento do crime, mas teria comprado a arma usada no assassinato.

No depoimento, o filho disse que não houve barulho, confusão e nem moto em fuga no momento da morte. Ele afirmou que viu o irmão Flávio, que confessou ter dado seis tiros no pai, ao lado do corpo ensanguentado, recolhendo uma mochila de couro e o telefone celular do pastor. O aparelho foi entregue para a mãe Flordelis, segundo o depoimento.

Os policiais ainda não encontraram os celulares de Flordelis, do pastor e de Flavio. Também não acharam a mochila.

Segundo o filho, Flordelis teria afirmado que “a hora do pai estava chegando”. Ele descreveu o comportamento desesperado dos parentes no velório como “teatro”.

Nesta quinta-feira (20), a Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido da Polícia Civil e determinou a prisão temporária de Lucas e Flávio. O pedido foi feito ao Judiciário após os investigadores realizarem uma acareação entre Flávio e Lucas.

Advogado diz que pode pedir acareação entre Najila e Neymar

O novo advogado da modelo Najila Trindade Mendes de Souza disse nesta terça-feira (18) que pode pedir à delegada que investiga o caso uma acareação entre a jovem e o jogador Neymar, a quem ela acusa de estupro e agressão. Najila prestou depoimento nesta terça-feira (18) na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) na Zona Sul de São Paulo pela segunda vez.

“Eu disse inclusive que vou inovar”, disse o advogado Cosme Araújo, o terceiro a assumir o caso de defesa de Najila. “Vou peticionar, se for o caso, para se fazer uma acareação. Porque o que o povo brasileiro quer saber, o que o povo mundial quer saber é o que aconteceu entre quatro paredes.”

A acareação é a confrontação de duas ou mais testemunhas, entre si ou com as partes, cujos depoimentos anteriores não foram suficientemente esclarecedores.

O advogado afirmou que a modelo prestou declarações, não depoimento, em dois inquéritos em que ela figura como vítima: agressão e estupro ocorrido em Paris, e arrombamento do apartamento em São Paulo. Por precatório, ela foi ouvida no inquérito em que Neymar é investigado no Rio de Janeiro sobre a divulgação das fotos íntimas de Najila.

Ela também foi ouvida em um procedimento sobre a possível extorsão cometida pelo primeiro advogado dela. Ela não é investigada em nenhum deles. Segundo a policia, ainda não há um inquérito sobre isso.

Segundo ele, o estado emocional de Najila “é de uma pessoa que já morreu, morreu e só falta deitar”. Afirmou ainda que “há provas suficientes para Neymar ser indiciado”.

Na quinta-feira (13), após o depoimento do jogador Neymar na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, a promotora Flávia Cristina Merlini, do Enfrentamento à Violência Doméstica designada pelo Ministério Público de São Paulo para acompanhar o caso, afirmou que ele respondeu a todas as perguntas de maneira satisfatória e negou o crime de estupro.

Naquele dia, a promotora Flávia também disse que, por enquanto, a investigação não via a necessidade de acareação de Neymar com Najila.

Advogado diz que celular de Najila sumiu depois que ela deu o 1º depoimento sobre caso Neymar

A modelo Najila Trindade Mendes de Souza, que acusa o jogador Neymar de estupro e agressão, prestou depoimento nesta terça-feira (18) na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) na Zona Sul de São Paulo. Najila chegou por volta das 11h40, acompanhada de seu novo advogado, e saiu às 15h50.

Nesta segunda-feira (17), a Justiça determinou que ela entregasse o telefone celular para a polícia. Segundo Cosme Araújo, novo advogado de Najila, ela não entregou o telefone porque o aparelho não está mais com ela. “Ela disse onde ficou o celular, ou no carro do ex-advogado ou na casa onde ela esteve depois no dia que ela esteve aqui”, afirmou. “Ela saiu para vir aqui prestar depoimento e quando saiu daqui ela foi levada para um hospital. Quando ela voltou não teve mais acesso ao celular.”

O advogado afirmou que Najila bateu em Neymar em resposta à agressão e estupro que teria sofrido no dia anterior no encontro em hotel de Paris. “Ela bateu nele porque baiano é bicho arretado, bateu levou”, disse.

Cosme Araújo é o terceiro advogado de Najila. É a primeira vez que ele esteve na delegacia e se apresentou à delegada Juliana Lopes Bussacos. “Há um manancial de provas”, disse o o advogado. 

Ele citou outros casos envolvendo esportistas famosos acusados de estupro. “Lembra do caso Mike Tyson? Qual foi a diferença? Ele tá condenado. Lembra do Robinho? Tá condenado a 9 anos em grau de recurso. Porque Neymar é o rei? Não sei.”

Ele mora em Ilhéus (BA) e agora vai ter acesso aos autos e todas as informações do inquérito.

“Nos queremos buscar a verdade. Não é a verdade real, porque não existe a verdade irreal. Apenas a verdade”, disse o advogado.

Ele rebateu o depoimento dado pelo jogador na sexta-feira, quando Neymar afirmou à polícia que deu tapas a pedido dela, e que modelo posou para fotos das nádegas.

“Acreditar que mulher gosta de sexo selvagem só porque é mulher e Neymar é o ídolo? Ela queria bater nele no mesmo dia que ele praticou o ato, só que ele não voltou. Tinha prometido voltar e não voltou. No dia seguinte ela atraiu ele para o hotel.”

“Em momento nenhum ela disse que queria casar com Neymar. Ela queria tanta coisa com Neymar ela não queria que ninguém visse ela com ele. Se ela quisesse ela iria para o restaurante. Não foi para lugar nenhum.”

Ex-cantor mirim é morto a facadas em SP

O ator e cantor Kalil Taha, de 26 anos, que participou do extinto programa Talentos Brilhantes, comandado por Moacyr Franco no SBT, foi morto com 20 facadas pelo melhor amigo, de 31 anos, no bairro do Tucuruvi, na zona norte de São Paulo. A informação foi publicada pelo jornal Agora S. Paulo.

O assassinato aconteceu no dia 30 de maio e ganhou visibilidade após a entrevista com a mãe de Kalil, Cláudia, ao programa Balanço Geral, na Record TV, nesta terça-feira (18). “É muito triste ter que enterrar um filho. Ele foi levado de uma forma cruel, sanguinária. Não quero que a imagem do meu filho seja manchada”, afirmou a mãe, dizendo que o filho e o assassino eram amigos e frequentavam o mesmo grupo de louvor na igreja.

Segundo o 73º DP, o crime foi premeditado, pois a vítima e o amigo tinham combinado de se encontrar. Uma das linhas de investigação é a de que Kalil Taha soubesse sobre algo que poderia comprometer o assassino.

De acordo a polícia, Kalil Taha foi esfaqueado pelo amigo dentro do carro da vítima. Na sequência, seu corpo foi colocado dentro do porta-malas do veículo. Com o término do combustível, o acusado foi até a delegacia, onde confessou o crime. Ele indicou onde havia deixado o carro. O caso foi registrado como homicídio simples.

Kalil Taha fez sucesso quando criança e já trabalhou ao lado de famosos. Além do programa de Moacyr Franco, que o projetou, ele trabalho com Faustão, Xuxa, Eliana, Celso Portiolli e Raul Gil.

Parada LGBT de SP ( A maior do mundo) terá 19 trios e espera público de mais de 3 milhões de pessoas

A organização da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo espera um público de mais de 3 milhões de pessoas para a 23ª edição do evento, que acontece neste domingo (23) na capital,com concentração a partir das 10h em frente ao MASP, na Avenida Paulista,a madrinha do evento é Fernanda Lima e a apresentadora oficial é a Drag Queen Tchaka. O movimento é organizado pela ONG APOGLBT SP (Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo).Serão 19 trios elétricos, um a mais que o ano passado, com atrações como a ex-Spice Girl Mel C, Iza, Luisa Sonza, Gloria Groove, Aretuza Love, Lexa, Mc Pocahontas e outros.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) também lembrou o episódio envolvendo o comercial do Banco do Brasil que foi barrado pelo governo federal para falar sobre respeito à diversidade. 

“A Prefeitura participa da parada porque é uma obrigação do poder público não apenas proteger a nossa diversidade, mas também celebrar nossa diversidade. Nada mais atual que relembrar 50 anos de Stonewall. Exemplo de força, luta de direitos e respeito, num ano em que a gente vê diretor de banco ser demitido porque contrata atores da comunidade LGBTI”, disse.

De acordo com o prefeito, o efetivo de segurança para o evento será o mesmo do ano passado, com 60 viaturas e 300 homens da GCM, além de 80 bombeiros civis e 540 seguranças privados.